Testemunho de Pr Kim, artigo 4 프린트   
관리자  Homepage Email [2020-08-25 15:28:04]  HIT : 89  

4. Esforço para não dividir a denominação.
 

Quando cheguei na Amazônia, já havia igrejas evangélicas indígenas plantadas pela Missão Novas Tribos (MTNB) e por uma missionária norte americana que pregou evangelho nos rios e afluentes do Rio Negro. Vi que as igrejas brasileiras visitavam as igrejas indígenas nas comunidades para trabalhar em parceria e distribuir artigos de primeira necessidade, e as igrejas indígenas se filiavam à denominação dessas igrejas. Numa mesma comunidade, igrejas que compartilharam mesma liturgia e tradição por décadas passaram a se enfrentar, por vezes de maneira violenta, por causa de diferença de doutrinas e políticas eclesiásticas particulares de cada denominação.


Lembrei da história da igreja da Coreia. No início da igreja coreana, depois que o evangelho foi pregado, missionários metodistas propuseram aos missionários presbiterianos a criar uma igreja do povo- igreja nacional- ao invés de dividir por denominações, e estes concordaram. Porém, o governo japonês descobriu o plano e pressionou para que as igrejas fossem divididas por denominação. 
Fiquei muito triste ao ver essas situações no campo missionário. É importante salvar muitas almas e levá-las a Deus. Porém, também aprendi que servir as igrejas locais e participar na sua unidade é também importante aos olhos de Deus e da história. Por esse motivo continuamente tentei convencer os missionários que atuavam na região e pastores das igrejas locais a formar uma Associação de Igrejas Bíblicas Unidas Indígenas para que só houvesse uma única igreja bíblica unida indígena ao invés de igrejas de diversas denominações. Não é da vontade de Deus as igrejas, da mesma etnia e/ou mesma comunidade, não viverem em harmonia por causa das doutrinas denominacionais. Muitos irão se afastar desiludidos da igreja ao verem as divisões nas igrejas. Por isso defendi a tese de que somente quando a igreja permanecer como uma igreja bíblica unida indígena, irá crescer de forma sadia e ao mesmo tempo a vontade de Deus será cumprida.
Levou anos para convencer. Finalmente, no dia 5 de julho de 2001, reuniram-se os representantes da FUNAI, das missões locais e das igrejas indígenas, cerca de 100 pessoas, no Instituto Bíblico do Alto Rio Negro e aprovaram o Estatuto da Igreja Bíblica Unida Indígena do Alto Rio Negro e foi formalizado a Convenção Igreja Bíblica Unida Indígena do Alto Rio Negro. Toda glória entrego a Deus e agradeço aos missionários e líderes das igrejas locais que participaram.
A nossa principal obra missionária é o IBARNE - Instituto Bíblico do Alto Rio Negro, fundado em 1997. O IBARNE é um instituto bíblico interdenominacional, onde jovens indígenas com chamado são convidados a passarem quatro anos estudando em regime de internato. O IBARNE trabalha em parceria com a CIBUIRN - Convenção Igreja Bíblica Unida Indígena do Alto Rio Negro, e os formados, após passar pelo crivo do conselho do CIBUIRN, são ordenados pastores e enviados ao campo missionário.
O atendimento médico, iniciado em 1996, é também uma obra interdenominacional. Nas visitas às comunidades indígenas, em áreas remotas onde o atendimento médico público é precário por limitação geográfica, era comum receber convite para trocar a placa da igreja pela da Igreja Presbiteriana em sinal de gratidão pelo serviço médico prestado, convite este recusado. Tinha plena convicção de que quando Deus nos enviou para a vasta Amazônia como missionários, não foi para ampliar os horizontes do Presbiterianismo mas para ampliar o Reino de Deus e pregar Sua Palavra. Contudo como as igrejas que plantamos estão situadas na cidade, elas estão filiadas à Igreja Presbiteriana do Brasil.
Sou grato a irmãos e igrejas, de diversas denominações, que confiaram e colaboraram nos métodos missionários aplicados que julguei ser necessários no campo missionário da Amazônia. As obras feitas por nós foram todas pela graça de Deus e oração e ajuda dos irmãos e igrejas.


Ao iniciar o ministério, passei muito tempo em oração e planejamento buscando as possibilidades de auxílio de colaboradores e recursos à minha disposição, e a situação do campo extremamente carente do evangelho. Tinha certeza de que as obras iniciadas após uma profunda e detalhada análise e oração eram as mais indispensáveis e didáticas. Mas não sabia que ela estava misturada com os meus limites, minha maldade e orgulho. Era ignorante em relação à justiça própria e soberba escondidos no subterrâneo do porão do meu coração. Isto porque dei mais importância e gastei mais tempo na obra do que o relacionamento meu com Deus. Muitas almas foram salvas via as obras que realizei, mas terminei na condição de pecador que enfrentou Deus.
 

이름   비밀번호

비밀글
     1493. Testemunho de Pr Kim, artigo 3
     1491. Testemunho de Pr Kim, artigo 5